Esquemas de retomada de roupas podem resultar em destruição e desperdício, alerta relatório

26/07/2023

Estudo da Changing Markets Foundation revela que roupas devolvidas por consumidores podem acabar destruídas, rebaixadas ou despejadas, mesmo quando destinadas à reciclagem ou revenda. 

Foto: MUSTAFA OZER / AFP) (Photo by MUSTAFA OZER/AFP via Getty Images
Foto: MUSTAFA OZER / AFP) (Photo by MUSTAFA OZER/AFP via Getty Images

Pesquisa publicada por Business Of Fashion

As iniciativas de retomada de roupas por marcas como H&M e C&A, que visam lidar com o aumento do volume de resíduos, podem estar enfrentando sérios problemas, de acordo com um relatório da Changing Markets Foundation. A pesquisa, que rastreou 21 peças de vestuário retomadas por marcas como H&M, Zara, Primark e C&A, revelou que a maioria das roupas devolvidas acaba sendo destruída, rebaixada ou enviada para mercados de segunda mão na África, muitas vezes terminando em aterros sanitários.

Embora esses esquemas sejam promovidos como uma forma responsável de reutilização e reciclagem, a investigação destaca o desafio de garantir que as roupas sejam de fato descartadas com responsabilidade. A maioria das empresas de moda terceiriza o processo de triagem e descarte de roupas para outras empresas, o que pode levar a problemas de rastreamento e rastreabilidade das peças. 

Além disso, a infraestrutura para a triagem de produtos ainda é em grande parte manual e depende de julgamentos sobre o que pode ser revendido e onde. As opções de reciclagem têxtil, que transformariam as roupas de volta em matérias-primas para o mercado da moda, ainda são incipientes, com um punhado de fábricas apenas começando a escalar.

A UE está propondo novas regras para obrigar as marcas a cobrir os custos de gestão de resíduos têxteis, mas especialistas afirmam que ainda são necessários investimentos substanciais para melhorar a infraestrutura de triagem e reciclagem de roupas. Ainda assim, a indústria da moda está sob crescente pressão para encontrar soluções sustentáveis ​​para o problema crescente dos resíduos têxteis, com consumidores e reguladores cada vez mais preocupados com o impacto ambiental da indústria. A colaboração entre marcas, organizações sem fins lucrativos e governos é essencial para enfrentar esse desafio e garantir que as roupas indesejadas sejam descartadas da maneira mais responsável possível, evitando desperdício e destruição desnecessários. 

Foto: changingmarkets
Foto: changingmarkets