Ferragamo relata queda de vendas e lucros operacionais no primeiro semestre de 2023

03/08/2023

América do Norte e Ásia-Pacífico lideram queda nas vendas da Ferragamo. Estratégias de marketing e expansão de linha de produtos são apostas para reverter cenário desafiador.

Foto: Vanni Bassetti/WWD via Getty Images
Foto: Vanni Bassetti/WWD via Getty Images

O grupo italiano de artigos de luxo Salvatore Ferragamo enfrentou um primeiro semestre desafiador, com suas vendas registrando uma queda de 7,2% em moedas constantes. As receitas totalizaram €600 milhões (US$657 milhões), em linha com as expectativas dos analistas. O lucro operacional também foi afetado, diminuindo quase pela metade em relação ao mesmo período do ano anterior, chegando a €47 milhões.

A América do Norte e a região Ásia-Pacífico foram as áreas mais afetadas pelas quedas nas vendas, com ambos os mercados apresentando reduções significativas. Na América do Norte, as vendas caíram 18,6%, e na região Ásia-Pacífico, a queda foi de 10,4%. Mesmo com um desempenho positivo na China, a fraqueza adicional na Coreia do Sul e no canal de varejo de viagens impactou negativamente os resultados.

Como parte dos esforços para reverter essa situação, o presidente-executivo Marco Gobbetti destacou os investimentos em marketing e a expansão da linha de produtos como estratégias-chave para fortalecer a imagem da marca e envolver tanto o público existente quanto o novo. Analistas apontam que os esforços de recuperação podem levar até o final de 2023 para começarem a surtir efeito sob o comando do CEO, que assumiu a posição no início de 2022, e do diretor criativo Maximilian Davis.