França lança "bônus de reparação" para reduzir o desperdício de fast fashion

02/08/2023

Cidadãos receberão até €25 por consertarem suas roupas, impulsionando a economia circular e sustentabilidade. 

Foto:  Paul Quayle/Alamy // Theguardian.com
Foto: Paul Quayle/Alamy // Theguardian.com

Em uma jogada audaciosa para combater o desperdício da indústria da moda e promover uma revolução sustentável, a França está adotando uma abordagem inovadora. A partir de 2 de outubro de 2023, os cidadãos que optarem por consertar suas roupas em vez de jogá-las fora serão recompensados com um "bônus de reparação", com valores podendo chegar a €25, dependendo da complexidade da restauração.

A medida tem como objetivo encorajar os consumidores a adotarem um novo mindset e a contribuírem ativamente para a redução dos resíduos têxteis, que assolam o meio ambiente e acumulam-se em locais como o Deserto do Atacama. A iniciativa conta com um fundo de sustentabilidade de 154 milhões de euros, alocado pelo Governo para os próximos cinco anos, demonstrando o compromisso do país em impulsionar uma economia circular e um consumo mais responsável na indústria da moda.

A ministra da ecologia da França, Bérangère Couillard, enfatizou a importância de resgatar a prática de reparar roupas, em vez de adquirir incessantemente novas peças das chamadas "fast fashion". "Ao incentivarmos as pessoas a considerarem consertar seus sapatos e peças de roupa de alta qualidade, estamos criando uma nova cultura de valorização e durabilidade dos produtos", explicou a ministra durante o anúncio do programa inovador em Paris. "Acreditamos que cada produto tem uma segunda vida e estamos determinados a promover essa mentalidade."

Além dos benefícios ambientais e da redução significativa de resíduos, a expectativa é que o programa também impulsione a indústria de reparos na França, gerando novas oportunidades de emprego para alfaiates e sapateiros locais. A adesão das oficinas de reparo ao esquema é gratuita, o que incentiva ainda mais a participação nessa inciativa única e transformadora.

Dados da organização ecológica francesa Refashion, que lidera o programa, revelam que em 2022, a França comercializou cerca de 3,3 milhões de peças de roupa, calçados e itens de casa. No entanto, o descarte inadequado desses produtos resultou em mais de 92 milhões de toneladas de resíduos têxteis em aterros sanitários ao redor do mundo. Com Paris sendo o epicentro da moda global, a França almeja se tornar uma inspiração para outros países, impulsionando um movimento global rumo a uma indústria da moda mais consciente e ecologicamente responsável.