Químicos de Copenhague desenvolvem método inovador para reciclagem de Poliéster

11/08/2023

Pesquisadores da Universidade de Copenhague criam técnica simples e ecológica para separar poliéster e algodão em tecidos mistos, prometendo transformar a indústria têxtil em direção à sustentabilidade. 

Foto: Créditos news.ku.dk
Foto: Créditos news.ku.dk

Um grupo de jovens químicos da Universidade de Copenhague deu um passo significativo em direção a um futuro mais sustentável para a indústria têxtil. Eles desenvolveram uma solução inovadora para a reciclagem de poliéster, um desafio há muito enfrentado na indústria devido à dificuldade de separar fibras de plástico e algodão em tecidos mistos. Essa nova abordagem promete revolucionar a forma como a reciclagem de poliéster é realizada.

A equipe, liderada pelo pós-doutorando Yang Yang do grupo Jiwoong Lee, do departamento de química da Universidade de Copenhague, conseguiu despolimerizar o poliéster em seus monômeros e, ao mesmo tempo, recuperar as fibras de algodão. A técnica simples e ecológica utiliza calor, um solvente comum e seguro e uma substância doméstica convencional para alcançar resultados surpreendentes.

A metodologia catalítica desenvolvida pelos pesquisadores tem o potencial de ser um divisor de águas na indústria têxtil. "A indústria têxtil precisa urgentemente de uma solução melhor para lidar com tecidos mistos como poliéster/algodão. Atualmente, existem poucos métodos práticos capazes de reciclar tanto o algodão quanto o plástico. No entanto, com nossa técnica recém-descoberta, podemos despolimerizar o poliéster em seus monômeros e, ao mesmo tempo, recuperar algodão em uma escala de centenas de gramas, usando uma abordagem incrivelmente simples e ecológica", explicou Yang.

Yang Yang, Jiwoong Lee e Shriaya Sharma no laboratório - Foto: news.ku.dk
Yang Yang, Jiwoong Lee e Shriaya Sharma no laboratório - Foto: news.ku.dk

A nova abordagem evita a necessidade de ferramentas especiais e utiliza um solvente suave e seguro, além de bicarbonato de amônio, também conhecido como sal hartshorn, uma substância comum em produtos de panificação. O calor é aplicado ao tecido, e a reação catalítica entre amônia e CO2, resultante da decomposição do sal hartshorn, permite a despolimerização seletiva do poliéster, preservando as fibras de algodão.

A simplicidade e a eficácia da técnica surpreenderam até mesmo os pesquisadores. "Ficamos encantados em ver que funcionava tão bem apenas nas garrafas PET. Então, quando descobrimos que funcionava em tecido de poliéster também, ficamos em êxtase. Foi indescritível. Que era tão simples de executar era bom demais para ser verdade", compartilhou Carlo Di Bernardo, coautor do estudo.

Embora ainda esteja em fase de laboratório, a técnica já despertou interesse da indústria. Os cientistas estão colaborando ativamente com empresas para avaliar a viabilidade da aplicação em escala industrial. Se bem-sucedida, essa inovação poderá ter um impacto transformador na reciclagem de poliéster e na sustentabilidade geral da indústria têxtil.